A segunda metade do século XX foi um período particular de desenvolvimento.

0

Embora a crença na existência de “sangue doente” seja tão antiga como o mundo, só desde a invenção do microscópio é que o conhecimento do sangue começou a progredir rapidamente. A segunda metade do século XX foi um período particular de desenvolvimento. Clique aqui.

Nos últimos 15 anos, registaram-se enormes progressos na investigação genética e na aplicação dos seus resultados ao tratamento de cancros sanguíneos, em particular. Na mente da maioria das pessoas, a hematologia como ciência das doenças do sangue está principalmente associada a anemias e leucemias, mas na realidade há muito mais tipos de doenças do sangue e há mais de 500 entidades de doenças específicas (com diferentes sintomas, resultados de testes e tratamento).

Dos meus 50 anos de experiência médica

Comparadas com doenças de outros órgãos como os pulmões, coração, tracto gastrointestinal, fígado, sistema nervoso ou sistema osteoarticular, as doenças do sangue são, apesar da sua diversidade, raras, mas por esta mesma razão é difícil ganhar experiência suficiente no seu diagnóstico e tratamento.

Dos meus 50 anos de experiência médica, um médico que trabalha num departamento de cardiologia é capaz de diagnosticar e tratar correctamente cerca de 80-90% dos pacientes após 2-3 anos. Uma formação de médico em hematologia não será tão proficiente mesmo após 20 anos. Isto deve-se principalmente ao facto de encontrar entidades individuais da doença (de um total de mais de 500) algumas ou no máximo uma dúzia de vezes por ano. Quando, então, se pode falar de experiência real, dado que cada paciente, mesmo com a mesma doença, tem uma doença diferente?

A dificuldade da hematologia como disciplina médica deriva também da necessidade de utilizar uma ferramenta de diagnóstico muito ampla. No total, existem dezenas de métodos de diagnóstico utilizados na investigação diária de uma doença significativa ou, uma vez resolvida, no seguimento.

Tentemos delinear qual é a gama de doenças em que um hematologista pode ser útil tanto para o doente como para o médico, uma vez que nem todos os desvios hematológicos ou doenças precisam de ser geridos permanentemente por um hematologista. Para além da anemia mencionada na introdução (das quais existem cerca de 200 como entidades de doença separadas), o hematologista lida com a anemia:

  • um número ou qualidade anormal de glóbulos brancos (leucócitos)
  • número ou qualidade anormal das células plaquetárias (trombocitopenia e hipertrombocitopenia)
  • leucemias agudas (aproximadamente 40 formas)
  • leucemias crónicas (10 formas)
  • linfomas (doença dos gânglios linfáticos – cerca de 50 formas + várias formas de granulomatose)
  • doenças das células plasmáticas (a forma principal é mieloma múltiplo)
  • as chamadas neoplasias mieloproliferativas (as mais comuns são a mielomatose e a mielofibrose)
  • síndromes mielodisplásticas (estas são essencialmente condições pré-leucêmicas)
  • as chamadas doenças metabólicas resultantes de doenças das células sanguíneas
  • desordens de coagulação (diatese hemorrágica) e propensão para coágulos sanguíneos.

Deve também ser salientado que nenhum órgão tem tantas ligações com outros órgãos como o sangue. Portanto, numerosas doenças, de praticamente qualquer órgão, podem afectá-lo e causar alterações que levam a uma deterioração do funcionamento de todo o sistema. Provavelmente os pacientes mais frequentes são obstetras e ginecologistas, internistas, mas também especialistas em pulmões, especialistas em rins, neurologistas.

Nestes casos, o hematologista pode ser útil na resolução do mecanismo detalhado da doença, embora o especialista específico desempenhe um papel central no processo de tratamento. Do acima exposto, talvez seja bastante convincente que a hematologia como ciência do sangue não é um campo tão estreito e inútil.