Pelo que esta lacuna é preenchida por organizações

0

A Convenção altera a abordagem à deficiência. Indica uma mudança de um modelo médico de deficiência para um modelo baseado nos direitos humanos. Ver a deficiência como uma característica humana, em vez de um défice, permite focalizar as capacidades da pessoa. Esta abordagem oferece a perspectiva de desenvolvimento social e profissional. Reduz o risco de exclusão social.

Para os g/ surdos, o trabalho é a reabilitação social, uma vez que lhes permite desenvolver a independência e autonomia, molda a sua personalidade, ensina-os a funcionar na sociedade e dá-lhes a oportunidade de se auto-realizarem. A importância do trabalho para os g/ surdos é evidenciada por vários programas de apoio ao emprego financiados tanto por fundos nacionais como da UE – Olhe aqui.

Infelizmente, há que dizer que a eficácia das instituições da administração pública no apoio à activação profissional dos surdos é baixa, pelo que esta lacuna é preenchida por organizações não governamentais que se tornaram parceiras no cumprimento das obrigações das instituições estabelecidas para o efeito.

No entanto, tanto o número destas organizações como o âmbito do apoio são ainda insuficientes, uma vez que não chega a muitas pessoas, especialmente as que não estão apenas profissionalmente, mas também socialmente inactivas. Isto significa que é difícil chegar às pessoas que não manifestam qualquer interesse em ser activas, pelo que a activação profissional não é de todo considerada por elas. Há muitos factores que influenciam isto, bem como os argumentos que estas pessoas usam para adoptar uma atitude passiva. Muitas pessoas têm uma atitude exigente, considerando que a deficiência lhes dá direito a receber apoio financeiro e social do Estado, e não vêem o valor do trabalho e da independência económica. Por vezes, isto também se deve ao medo de que não serão capazes de lidar com as expectativas do mercado de trabalho, ou ao medo de perderem a sua pensão. Por vezes, estando dependentes da sua família, consideram isto uma coisa normal e não querem ver o facto de serem um fardo pesado para os seus familiares, o que causa conflitos e tem muitas consequências sociais negativas. Muitas vezes são também movidos pela baixa auto-estima. Parece-lhes que um trabalho melhor é apenas para ouvir pessoas.

O facto é que durante muitos anos o sistema manteve-os nesta crença.

Os instrumentos de emprego disponíveis nos Centros de Emprego não têm sido suficientemente eficazes e, na verdade, têm desencorajado frequentemente tanto a pessoa surda como o empregador, e continuarão a ser ineficazes se não for dada ênfase à superação das barreiras de comunicação.

Uma pessoa que empreende apoio a uma pessoa g/ surda deve ter formação e conhecimentos adequados sobre como comunicar com o seu cliente. Ele ou ela deve conhecer a linguagem gestual ou providenciar um intérprete. Ele ou ela não pode comunicar à vontade, por exemplo, escrever num pedaço de papel em polaco, que é uma língua estrangeira para a pessoa g/Deafeuda. Normalmente, as pessoas g/Deafe não estão familiarizadas com o polaco, aprendem-no como uma língua estrangeira e nem sempre são capazes de o dominar a tal ponto que possam comunicar livremente.

Devido à grande dificuldade em compreender textos em polaco, estas pessoas têm problemas em preencher formulários, escrever cartas e precisam da ajuda de outros.

Por conseguinte, uma pessoa surda/grau que se candidate a uma agência de trabalho, agência de emprego ou organização não governamental que apoie a activação profissional deve, antes de mais, ter a possibilidade de comunicar de uma forma que compreenda. Isto significa, por exemplo, fornecer um intérprete de linguagem gestual ou designar um treinador de trabalho, conselheiro ou outro especialista que conheça a linguagem gestual.

É também importante notar que é feita uma distinção

A Língua de Sinais Polaca (PJM) é a língua natural dos Surdos, distinta do polaco. Tem a sua própria gramática visual-espacial. Em contraste, o sistema de linguagem gestual ou linguagem gestual, é um sistema de comunicação artificial que é uma combinação de linguagem gestual polaca e polaca. Este é um ponto importante, porque para uma pessoa que usa PJM, é um grande problema designar um conselheiro que só conhece, e infelizmente esta é a prática em muitos escritórios.

Imagine uma audiência checa que é assaltada numa viagem à Índia e reporta à polícia, e os agentes trazem um intérprete russo porque sabem que é também uma língua eslava, por isso pensam que o intérprete irá comunicar com o checo. Esta é uma história retirada de uma comédia cinematográfica, mas infelizmente este tipo de comportamento é um pesadelo da vida quotidiana para os g/ surdos.

O trabalho é uma parte importante da vida de uma pessoa. É portanto surpreendente saber, apresentado em várias conferências e reuniões, que até 80% das pessoas surdas na Polónia não trabalham. A razão para uma tão grande escala de inactividade profissional entre pessoas surdas/graus é intrigante.

Que actualmente não é observada em todas as instituições deste tipo no nosso país

A experiência da Fundação de Ajuda a Crianças com Deficiências Auditivas mostra que é extremamente importante apoiar uma criança surda desde o início e concentrar-se no bilinguismo e permitir o seu pleno desenvolvimento. É essencial que a reabilitação esteja disponível e que a educação seja sem restrições, o que significa, entre outras coisas, fornecer o mesmo conteúdo educacional que para ouvir as pessoas, a fim de garantir um começo igual no futuro.

É necessário transmitir a mensagem de uma forma que seja compreensível para o aluno surdo, pelo que os professores das escolas especiais para crianças surdas devem estar perfeitamente familiarizados com, que actualmente não é observada em todas as instituições deste tipo no nosso país.

A educação bilingue não só permitirá ao estudante adquirir conhecimentos, mas também aprender a língua polaca utilizada pelas pessoas à sua volta, o que dará à pessoa surda uma oportunidade de encontrar o seu caminho no mundo da audição no futuro.
A educação bilingue está a encontrar cada vez mais defensores, ao mesmo tempo que se deve salientar que a língua gestual polaca deve ser a primeira língua do estudante surdo e a língua nacional, ou seja, o polaco, a segunda língua, principalmente sob a forma de texto baseado na língua natural, ou seja. O desenvolvimento da linguagem fónica é uma questão secundária e depende da predisposição individual da pessoa surda.